Apresentação

A ideia para criar este blog surgiu no âmbito do tema da nossa Área de Projecto, que relaciona a saúde e os avanços da ciência e da tecnologia nos nossos dias com o quotidiano.

Escolhemos o tema da auto-imunidade porque está inserido no fascinante capítulo do livro de Biologia doptado pela escola, "Imunidade e Controlo de Doenças", e também pois a pesquisa será muito importante para a nossa vida profissional futura.

Neste blog postaremos inúmeras doenças auto-imunes, e esperamos que estas informações sejam úteis aos leitores.

terça-feira, 15 de abril de 2008

ARTRITE

Constituição das articulações

As articulações são zonas móveis onde dois ossos contactam. Os ossos estão nessa zona revestidos pela cartilagem articular, e são fixados por tendões, músculos e pela cápsula articular. Esta cápsula é revestida pela membrana sinovial e produz o líquido sinovial, lubrificador da articulação.

Artrite Reumatóide

É a inflamação crónica das articulações. Não é conhecida a causa da doença, mas pensa-se ser provocada por mutações génicas associadas a factores ambientais. Foram descobertas mudaças no sangue dos pacientes: variações na taxa de sedimentação dos eritrócitos, anemia, trombocitose, presença de factores reumatóides IgM e anticorpos anti-nucleares. No espaço intra-articular existe uma linha de células que nos pacientes com artrite reumatóide aumenta devido à presença de macrófagos, fibroblastos sinoviais activados e linfócitos T. Os linfócitos T ligam-se a péptidos artritogénicos, apresentados pelas células sinoviais, activam os macrófagos, que produzem citoquinas para activar os linfócitos B por estimulação policlonal. São os linfócitos B que vão produzir imunoglobulinas IgM e IgG (factores reumatóides), que vão formar complexos-imunes, e activar o sistema complemento, que vai produzir enzimas proteolíticas, causando sinovite e consequente ruptura dos tendões e perda do movimento articular.

Os primeiros sinais da doença são inflamações simétricas em várias articulações e mal-estar/desconforto. As articulações dos pulsos, dos dedos das mãos e dos pés ficam inchadas devido ao aumento de volume da membrana sinovial, que produz líquido sinovial em excesso (é este líquido que em contacto com o osso e a cartilagem pode lesar a articulação). Estes inchaços causam dores e dificultam o movimento da articulação. Os pacientes têm ataques nocturnos de artralgia (dor nas articulações), que se mantém de manhã. Os inchaços tornam-se deformações irreversíveis com o avanço da doença, devido à luxação dos tendões nas zonas onde estes envolvem as articulações e à erosão dos ossos. Por vezes as inserções dos ossos nas articulações são destruídas, e nas últimas fases da doença aparecem pontes fibrosas ou ósseas sobre as articulações. A articulação atlanto-dental, na espinha cervical também é afectada, e a medula espinal fica em risco de ser comprimida.

A artrite reumatóide também causa sintomas extra-articulares, como nódulos fibrosos nas extremidades (de material necroso rodeado por macrofagos), vasculite, pleurite, pericardite, inflamações nos olhos e, raramente, vasculite cutânea, fibrose pulmonar, defeitos na válvula mitral e miocardite.


A doença é diagnosticada pela presença de inflamações nas articulações, de nódulos reumatóides na pele, por análises sanguíneas (taxa de sedimentação elevada, presença de anticorpos anti-citrulina e anti-nucleares e da proteína C-reactive), por raios-x (erosão do osso) e por um procedimento denominado artrocentese (drenagem de líquido sinovial para análise laboratorial), que também alivia os sintomas da doença.

O tratamento mais eficaz envolve descanso, exercícios de fortalecimento articular, protecção das articulações e uma combinação de medicamentos (aspirina ou cortisona/corticosteróides combinados com methotrexate e hydrochloroquine). Contudo, as investigações para novos medicamentos continuam.

Artrite juvenil

Existem várias formas de artrite juvenil crónica. Tal como na artrite reumatóide, as articulações inflamam, causando dores, inchaços e dificuldades de movimento. Existem vários tipos desta artrite:

Artrite Juvenil Sistémica/Doença de Still

É caracterizada por erupções cutâneas/exantemas (manchas na pele), febres altas (até 41ºC), poliserosite (inflamação fibrosa das membranas serosas, que revestem as cavidades peritoneal, pleural e pericardíaca) e, em muitos casos, hepatoesplenomegalia. Ocorre quando o paciente tem poliartrite simétrica e grandes inchaços que afectam a mobilidade da articulação.

Artrite Juvenil Poliarticular

A artrite poliarticular seronegativa surge entre os 2 e os 5 anos de idade. Um paciente típico manifesta inflamação das articulações dos maxilares, além de inflamações simétricas em todo o corpo. A placa epifisial, ou epífise (cartilagem dos ossos longos, presente nas crianças para controlar o crescimento ósseo) cresce irregularmente, o que pode causar diferenças de comprimento acentuadas nos membros. Pensa-se ser causada por anticorpos anti-nucleares.

A poliartrite seropositiva surge em crianças com mais de 10 anos e em adultos, e consiste na destruição simétrica das articulações. Foi detectada no soro a presença de IgM, anticorpos anti-nucleares e antigénios DR4.

Oligoartrite

Esta doença afecta normalmente bebés do sexo feminino, é causada por anticorpos anti-nucleares, e a artrite não é o principal problema. Surge iridociclite, ou seja, inflamação da íris, que pode causar cegueira.

Espondiloartropatia Juvenil

Este tipo de artrite afecta normalmente a articulação da anca, do sacro e outras grandes articulações. Manifesta-se maioritariamente em rapazes, e caracteriza-se pela presença do antigénio HLA-B27 no soro, e na ausência de IgM e de anticorpos anti-nucleares. Esta doença pode desaparecer durante a puberdade, ou agravar-se nos adultos.

Espondiloartropatia

Existem vários tipos de espondiloartropatia, que se relacionam pela presença do antigénio HLA-B27 e pelos sintomas comuns: as articulações afectadas fazem parte do esqueleto axial (caixa craniana, caixa torácica e coluna vertebral), as inflamações intestinais e uretrite. Uma pré-disposição genética aumenta a probabilidade de ter a doença. Crê-se que a doença é causada após infecções com bactérias com antigénios similares aos HLA-B27, presentes no tecido endógeno. Os linfócitos B vão reconhecer esses antigénios como estranhos e atacar as células que os possuem.

Espondilite Anquilosante

É uma inflamação sistémica que afecta o esqueleto axial, as articulações, estruturas fibrocartilaginosas (como os discos intervertebrais), zonas de inserção dos tendões e dos ligamentos, e mais raramente, os órgãos internos. Pode causar também uveite (inflamação ocular), uretrite e prostatite. Afecta essencialmente homens entre os 15 e os 30 anos.

Artrite Reactiva/Doença de Reiter

Inflamação das pequenas articulações, dos tornozelos e dos joelhos associada com uma infecção intestinal ou uretrite, erupções cutâneas, conjunctivite e iridociclite. É tratada com imunossupressores e corticosteróides.

Artrite Psoriática

Esta inflamação pode surgir da monoartrite, da oligoartrite e da poliartrite. São afectadas as articulações interfalangeais, vertebrais, sacroilíaca e por vezes, todas as articulações dos dedos (dactilite).

Sem comentários: