Apresentação

A ideia para criar este blog surgiu no âmbito do tema da nossa Área de Projecto, que relaciona a saúde e os avanços da ciência e da tecnologia nos nossos dias com o quotidiano.

Escolhemos o tema da auto-imunidade porque está inserido no fascinante capítulo do livro de Biologia doptado pela escola, "Imunidade e Controlo de Doenças", e também pois a pesquisa será muito importante para a nossa vida profissional futura.

Neste blog postaremos inúmeras doenças auto-imunes, e esperamos que estas informações sejam úteis aos leitores.

domingo, 18 de maio de 2008

POLIMIOSITE

A Polimiosite pertence a um grupo de doenças denominadas inflamações miotpáticas, ou seja ao nível dos músculos, pela acção dos linfócitos T8, principalmente, e da produção abormal de anticorpos contra as células dos próprios tecidos musculares. A doença também está muitas vezes associada a virus como HIV, que podem contribuir para a sua propagação, e a infecções como toxoplasmose. Afecta principalmente pacientes com 40 ou 50 anos, e mais acentuadamente mulheres e pacientes negros. Os sintomas surgem alternados com períodos de remissão, e traduzem-se normalmente por:
- Fraqueza muscular progressiva e simétrica;
- Dificuldade em deglutinar (disfagia);
- Fadiga;
- Dificuldade ao subir escadas noutras actividades comuns como escovar o cabelo.

Para diagnosticar esta doença, o médico requererá além de um exame físico aos músculos do paciente, algumas das seguintes informações:
- Historial médico da família - para que em comparação com os antepassados do paciente, o médico possa distinguir a polimiosite de outra doenças com sintomas comuns como a distrofia muscular;
- Análises ao sangue - a fim do médico determinar se existem enzimas musculares (como CK ou aldolase) em excesso, ou a presença de autoanticorpos.
- Biopsia muscular - retirando um pedaço do tecido muscular, analisa-se a presença de proteinas anormais e de enzimas deficientes;
- Imagem por ressonância magnética (IRM) - detecta inflamações musculares.

Apesar de existir cura possível, a terapêutica, como os seguintes exemplos, ajudará a minimizar os sintomas:
- Corticosteróides: suprimem o sistema imunitário, mas devem ser uilizados com moderação pelos efeitos secundários que acarretam;
- Outros imunosupressores: se o organismo não responder de forma adequada aos corticosteróides;
- Fisioterapia: para manter e desenvolver a força e flexibilidade dos músculos, o fisioterapeuta criará um plano de exercicio.
Existem algumas terapêuticas ainda em estudo por parte dos investigadores,
como:
- 'Lavagem de plasma', onde os anticorpos seriam removidos do sangue;
- Radioterapia;
- Injecção de IgG, por meio intravenoso;
- Fludarabine (Fludara), prevenindo o desenvolvimento de células malignas;
- Tacrolimus (Prograf), imunosupressor;
- Anticorpos monoclonais, para destruirem células específicas.

4 comentários:

Leonardo Sousa disse...

Eu tenho polimiosite e tenho 25 anos,ela veio do nada e algo enes plicável essa doença, veio com muita rapidez e violência fiquei ate na UTI mas graças a Deus estou bem só não posso mais praticar esportes como fazer trilha de bike e musculação.

nayara ribeiro disse...

ola eu fui diagnosticada com essa doença quando tinha 15 anos o medico havia dito q eu não poderia ter filho se nao fizesse o tratammente q dura 5 anos,porem fiz o tratamento apenas 3 meses com 17 anos engravidei minha filha teve uma ma formação(gastrosquise)oq quero saber se eu tentar engravidar novamente pode ter risco como a primeira gestação??

kika pilger disse...

Tenho Polimiosite també, fiz um blog pra falar do dia-a-dia com ela! É novo ainda, mas quem quiser http://comvivendocompm.blogspot.com.br/

Unknown disse...

Olá, tenho polimiosite há 14 anos vivo muito bem,faço tratamento com corticosteróide e imunossupressor,só nan tenho força pra subir escadas, você conhece algum outro tratamento que possa melhorar essa força.